quarta-feira, novembro 30, 2005



Artífices e artistas

O que é arte?

Eu tenho uma resposta pra isso mas que envolve três perguntas. Se a coisa pendurada na sua parede atende a pelo menos uma delas, então é arte sim.

Isso aí teve intervenção humana?
Um toco de árvore queimado, enfeitando a sala. Se esse tronco passou por algum crivo humano, tipo: polimento, poda seletiva, cortes deliberados, ou então traduz uma forma de protesto deliberado ou intenção estética; então é arte sim. Curioso, não? Uma árvore no campo não é arte, mas essa mesma árvore numa galeria, com uma plaquinha escrito "Ode ao vento", é arte. Ah, a plaquinha em questão deve conter o preço também, aí coisa vira obra-prima.

Serve pra alguma coisa?
Arte não é artesanato. Em geral, arte não serve para nada. Se você fizer uma capa pro sofá com seu Matisse, ele vira artesanato - e eu vou ali lhe dar um tapa. Se, entretanto, deixar o quadro pendurado na parede da sala com uma luzinha em cima, aí não só é arte da boa como você tá podendo, hein? A Receira Federal sabe disso? Aqui vai um porém, que também é muito curioso. Se uma peça de artesanato ou um utensílio doméstico - como uma colher, por exemplo - for enterrada por 1000 anos, e depois achada e exposta num museu, ela vira arte. O status da coisa muda, pois mudou nossa percepção sobre ela. Sacou?

Você e todo mundo acha que é arte?
Se você acha que as fraldas sujas do seu bebê fazem um abstrato padrão pictórico marrom, então é arte. Principalmente se você fotografa tudo e expõe. Mas não me convide pra exposição, ok?

Nesse ponto notamos algo em comum com todas as questões. Arte foi feita para ser exposta, para ser submetida à apreciação pública. O artista dá sua cara a bofetes.

A arte primitiva, de início puramente cosmética - colares de contas, brincos de ossos - foi uma das primeiras formas de percepção do outro: estou me enfeitando para que me vejam. Arte só funciona se tiver alguém vendo, ora. Uma árvore na floresta vazia emite som ao tombar? Um livro de poemas fechado para sempre - e que ninguém jamais lerá; é arte?

Parece que arte só pode ser feita por humanos, não? E os macacos que pintam? Ah, mas um macaco pintar não é arte. Mas emoldurar os quadros e vendê-los, arrecadando fundos para o zoológico; promove a coisa à categoria de arte. Mais uma vez, a intervenção humana.

O pôr-do-sol não é arte. Mas o poema " O Ocaso, por Cacaso" é.

Então, qualquer um pode ser artista? Yep! Como é que dizem? - Basta ter atitude. Um óculos diferentões e um corte de cabelo ridículo também ajudam, claro. No fim, o que vale é ter algo a dizer. O cara até pode ser um artista conceitual, pô! Embrulhar montanhas, fotografar gente nua na rua, enlatar a própria merda, escrever textos dadaístas como este são atitudes artísticas tão válidas quanto emporcalhar telas.

Sabe duma coisa? Será que a arte se resume a qualquer coisa que possa ser publicada num livro chique, pra ficar repousado na mesinha da sala, só pra impressionar as visitas? Pensemos, pois.

5 Comments:

Blogger Zarastruta said...

Hemé,

Primeiro, a barba do Olinto está nojenta nesta ilustração. Segundo, eu com certeza sou artista. Quando eu era menino (não há muito tempo portanto) minha mãe dizia este menino está muito quietinho aí, tá bem fazendo arte. E eu realmente estava fazendo alguma arte como criando padrões artísticos no pêlo do cachorro com o barbeador elétrico ou coisa parecida.

9:40 PM  
Anonymous Edge said...

ho ho...e dando uma de lang, quem de nos nunca parou diante daquela abstrata obra do Jackson Pollack (ou qualquer outro artista moderno) pendurada exposta na parede e pensou: mas que merda ? :)

3:43 AM  
Blogger Hemeterio said...

Z; reconheceu o cabra? Pois é ele mesmo!

Cara, tenho um desenho feito na época da Sigma que é muito legal, tu vai se lembrar. Tem todo mundo: o Patrick, o Valmir, o Niltom, tu, eu, o Olinto e o Barreto.

Vou procurar e vai virar um post aqui no Oiretemeh:-)

4:42 AM  
Blogger Hemeterio said...

Edge, pior não é isso. Pior é não saber se penduraram o quadro de cabeça pra baixo ou não.

Mas o Pollock eu respeito. Assim como Paul Klee, Roy Liechtenstein, Mondrian, Kandinsky e o nosso grande Antônio Bandeira! Mas o que tem de picareta vou te contar!

4:47 AM  
Anonymous Anônimo said...

protesto pela cegueira do Mozilla... não posso mais ver a arte...

11:47 AM  

Postar um comentário

<< Home