quinta-feira, janeiro 26, 2006



Meus dois dedos de prosa

No princípio houve uma batalha, e o Incriado fora arremessado dos Céus. Durante sua queda, que durou seis vezes seis vezes seis dias, seus gritos de agonia e desespero ecoaram por toda a Terra. Finalmente, chocou-se contra o solo, gerando uma grande cratera circundada de altos picos. Tão violento fora o baque que separou continentes, evaporou rios, queimou florestas. As cinzas da explosão engolfaram o mundo, sufocando-o com enxofre e pó.

Seu corpo, porém, não maculou as entranhas da Terra, atravessando-a: o Decaído jaz insepulto na superfície, no centro da enorme cratera, e tem a forma de uma grande e vil montanha. Tudo passa. Ele permanece desde então pelos séculos e séculos sem fim, imóvel, humilhado, aguardando em eterna vergonha aquele que ousará redimí-lo. Uma vez liberto, sua vingança contra tudo e contra todos moverá Céus e Terra. Mesmo os Inomináveis têm esperança. Tudo o que ele pode fazer agora é esperar.

Evangelho apócrifo de São Rufus, o neto; século II D.C.


Adamastor Tilla planejara a viagem por semanas. Encasquetou que iria ser o primeiro a escalar o monte Cereuira-Anhangá* e não mediu esforços. Curiosamente, alpinistas experientes haviam falhado em suas tentativas de escalar o cume e só a notória teimosia de Adamastor o impelia à frente. Sem falar que ele estava um pouco fora de forma. Sua última pesagem fora feita na balança da ponte Rio-Niterói, e para proteger a ponte, a fiscalização sugeriu que ele usasse a balsa de entulho para atravessar a baía.

Adamastor chegou ao sopé da montanha e estudou os mapas. Pura cascata, ele não sabia nem sequer consultar uma placa de trânsito, quanto mais ler curvas de nível. Deve ser por isso que olhara o mapa de cabeça para baixo, e começara a subida pelo lado mais difícil da montanha. Curiosamente, a estrutura do pico central parecia-se com um homem agachado de joelhos, apoiando os ombros no solo e constrangedoramente desprevinido em sua retaguarda. E era justamente por ali, pelas ancas da montanha, digamos assim; que Adamastor iniciara sua subida.

De percalço em percalço, miraculosamente Adamastor foi conseguindo avançar montanha acima. Perto do topo, que era como que duas grandes colinas arredondadas; Adamastor encontrara de fato seu primeiro obstáculo. Era uma espécie de lorto malcheiroso, de onde se expelia grande quantidade de gases e enxofre. O buraco era circundado por pregas radiais, certamente formadas pela lava que escorrera em tempos idos. Pouca vegetação crescia ao redor do buraco, e Adamastor seria capaz de jurar que ali nunca o sol brilhara.

Mas Adamastor precisava prosseguir, e resolveu dar sua última cartada. Trazia consigo um grande, roliço e inoxidável pino de metal, que usaria para apoiar a bandeira nacional quando chegasse ao cume. Ele pensou; ora, vou enfiar o mastro da bandeira no meio do buraco e usá-lo como alavanca para subir mais um pouco. Apoiado dessa maneira, poderei ter uma bela alavanca e conseguirei subir os poucos metros que restam. E assim fez.

Adamastor enfiou o cabo no vão da pedra e foi como se a montanha despertassse com o choque. A terra tremeu, e um jato de lava jorrou pela fenda malcheirosa. Foi como se um demônio aprisionado fosse liberto de seu tampão de rocha. Podia ser a altitude, podia ser a emoção de ser o primeiro a chegar ao topo, mas antes de desaparecer numa violenta explosão vulcânica; Adamastor poderia jurar ter ouvido a montanha gargalhar. Ninguém jamais soube a verdade. Olha, não sei se é coincidência, mas depois da besteira de Adamastor, o mundo está um caos. Tá nevando no Egito!

* Bunda do Diabo, em tupi.

4 Comments:

Blogger Zarastruta said...

Hemé,

Eis então o cu do mundo. E parece que não é no Piauí.

10:06 PM  
Blogger Unknown said...

Montanha ne? sei... :)

3:02 AM  
Blogger Os Machistas said...

nesse caso só o cume interessa.
Essa é velha hein.
O proprio Falcao ta cantando uma musica com essa letra de cume num-sei-o-q

3:35 AM  
Blogger Melon said...

Pobres garotos mijadores do Rio Iguaçú... mal sabem eles que urinam na garganta do dito cujo.

6:00 AM  

Postar um comentário

<< Home