terça-feira, fevereiro 13, 2007

Terminei os seis desenhos novos pra Conrad. Se eles não vierem com mudanças - grunf! - acho que já está tudo ok. Pra variar, não sei quando vão imprimir a coisa toda, mas como sempre, colocarei as novidades aqui.





Heil to the chief!

Seis motivos que provam que vivemos num país autoritário e fascistóide, ou pelo menos, com velhos ranços ditatoriais. Saca só:

Voto obrigatório - Se o Brasil fosse mesmo uma democracia, o voto seria facultativo. E daí que só eu, dois gaúchos e um acreano votássemos pra presidente? O mandatário supremo da nação seria eleito com um percentual de votos semelhante a um jogo de par-ou-ímpar, mas qual o problema? Se a campanha for atraente e os candidatos coerentes, tenham certeza que o povo compareceria às urnas, sim. Obrigar todo mundo a votar é subestimar nossa maturidade eleitoral. Proponho que se abola (?) essa prática nefasta e que parem de nos tratar como crianças, seus políticos velhos feios com cara de melão! Brrrrr!

Serviço militar obrigatório - À exceção de Israel, nenhum país civilizado mantém um serviço militar obrigatório em tempo integral, tanto para rapazes e moças. Até dou razão ao estado do Negev, pois o país é a única democracia estável da região, cercada por vizinhos hostis e pouco afeitos às leis internacionais. Então, há de se estar a postos.

Sei que no caso do Brasil não somos obrigados, necessariamente, à servir a uma das armas. Basta que nos alistemos para sermos dispensados logo em seguida, pois na prática serve quem quer - ou precisa. Mas esse papo de ser enquadrado para aguardar uma provável convoção para uma nova Guerra do Paraguai me parece coisa de republiqueta. Ou se profissionalizam as forças armadas ou que se incentivem as carreiras técnicas - como nos cursos do ITA ou da Marinha - mas sem essa de ser fichado.

A Voz do Brasil - Puro ranço da Era Vargas, esse execrável programa nada mais é que um imenso lodaçal para que os Narcisos de plantão - os políticos - se contemplem em suas margens. No horário mais nobre e caro do rádio, a programação é interrompida ( em todo o país!!! ) para que um chatíssimo programa de rádio teça loas ao Congresso Nacional e ao dia-a-dia do presidente. Que diabos, se isso é tão importante assim, por que não criam uma faixa de rádio só para eles, imitando a bem sucedida experiência da TV Senado e da TV Câmara? Assim, eles poderiam ficar 24h no ar falando do que lhes der na telha, e só iria lá ouví-los que quiser.

Horário eleitoral gratuito - Pelas mesmas razões expostas acima, que a Justiça Eleitoral ou seja lá quem controle essa joça; crie um canal de tv só para veicular a propaganda. Esse canal - um UHF, sei lá - só funcionaria de dois em dois anos, passando propaganda eleitoral o tempo todo. Basta uma canetada que a cosia seria posta no ar. Não sei que interesses malucos ditam que a programação das tvs também têm que ser interrompidas, mas basta um pouco de bom-senso pra por em prática essa idéia. Por que não?

Descontos na fonte - Aqui em Pindorama o imposto de renda é cobrado mês a mês, no contra-cheque do assalariado. Curioso esse método, pois o Governo previamente nos tacha de salafrários, pois não confiam que a gente vá declarar corretamente no fim do ano - sabe como é, como têm bandidos por aqui! Talvez eles queiram nos poupar tempo, para que não esquentemos nossas cabecinhas com essas coisas chatas de contabilidade. Eles mesmos se dão ao trabalho de nos tungar e nos poupam esse dessabor de atirarmos contra o próprio pé. Ora vamos, se o sujeito sonegar impostos, existe a lei - e os comprovantes de depósito na conta salário. O que eu advogo é que eu gostaria de ter o direito de eu mesmo mexer no meu salário, se me faz favor.

Fardamentos nos colégios - Essa não é uma norma governamental, eu acho, mas se não for, só piora as coisas. Significa que o cunho marcial da nossa personalidade nacional está mesmo entranhado fundo. Por que se exigem uniformes nos colégios particulares, por exemplo? Seria uma forma de se identificar os alunos, caso eles fiquem vadiando por ai? Ou uma forma sutil de padronização, para quebrar o que resta de auto-estima e individualiadde nos meninos? Ou seria uma forma de nos tornar robozinhos? Ou então, que sujeito chato que eu sou; é só uma estratégia de país pobre para poupar roupa e sabão? Cartas pra redação.

2 Comments:

Blogger Tarso Bessa said...

Com relação a fardamentos no colégio, hehehehe, esse eu vou ter que descordar. As meninas, no colégio em que eu estudava, podiam usar saias (opcional) da cor da calça dos meninos. Resultado: do tamanho de um band-aid, com pregas.

Altas imaginações.

9:18 AM  
Blogger Edge said...

já vi que tu és nobre seguidor do selacantismo que liberta os simbolos aprisionados dos homens :)

1:13 AM  

Postar um comentário

<< Home