terça-feira, abril 10, 2007

Vista da varandinha aqui de casa, sábado à noite.



Taqui o texto que eu mandei pro concurso da piauí de abril. Como vocês sabem, o desafio é encaixar uma frase sem pé nem cabeça num texto não tão esquartejado assim. A frase está grifada junto ao texto.

...---...

O ventríloquo loquaz

Há muito e muito tempo, quando as centopéias eram bípedes, havia um rei bom e justo chamado Dagoberto, o fastioso. O rei só tinha um pequeno defeito. Na verdade, era só uma leve esquisitice. Talvez, no máximo, uma excentricidade doentia, vá lá. Certo, certo, o rei era um maluco de primeira, cujas alucinações e tolices causavam a ruína de seu povo! Pronto, contei!

Basicamente, o rei Dagoberto tinha pavor de bonecos. O rei também não gostava de marionetes, bonecas de porcelana, joões-bobos, Falcons, bonecas infláveis, soldadinhos de chumbo, bonecas de pano, bailarinas de caixinha, bóias de girafa, anões de jardim, imagens da Virgem, bustos de praça, máscaras do Saddam, toda a iconografia egípcia, bonecos vudu, mascotes de times, relógios do gato Félix e principalmente; o rei temia os bonecos de ventríloquo.

O rei proibira toda representação antropomórfica. Ordenava batidas de surpresa para saber se as crianças estavam desenhando bonequinhos, ou se os adultos escondiam pingüins de geladeira. Se achassem um assustador boneco de ventríloquo, a punição era a morte por enforcamento. Do boneco, é bom que se diga. Depois de enforcado, o boneco era esquartejado, e conduzido por soldados em trajes lunares para um enorme sarcófago, que o rei mandara construir por um trilhão de rupias nepalesas: quase vinte dólares.

Não vou tolerar este tipo de agressão, ainda mais levando em conta que meu tio é ventríloquo, disse o herói local, Belfagor, o estridente. Para tanto, organizou um movimento de resistência, cuja maior dificuldade foi encontrar quem desenhasse o logotipo. O trabalho escolhido mostrava o símbolo da nação, um nematelminto, tendo ao colo um boneco de ventríloquo. Assim, invadiram o castelo do rei e descobriram seu terrível segredo: ele fora um ator frustrado de teatro infantil. Incapaz de contracenar com bonecos de papel maché, fora banido de seu grupo e desde então, jurara vingança.

Os rebeldes descobriram os porões abarrotados de títeres, mas nada havia preparado os combatentes para o que veriam a seguir. No meio daquela oficina improvisada, estava ninguém menos que Jurandir, o parlapatão, justamente o tio ventríloquo de Belfagor! Secretamente, Jurandir persuadia o rei a aumentar ainda mais sua perseguição aos bonecos, para que depois ele mesmo curasse o rei de seu trauma. A oficina fazia parte da terapia do rei, para que ele pouco a pouco ficasse íntimo daqueles nauseabundos bonecos. Quando a onda de carnificina passasse, Jurandir emergiria como o único e poderoso ventríloquo real!

Aquele que fora a inspiração para os rebeldes não passava de um ardiloso mestre do mal, que visava, apenas, eliminar a concorrência. O reinado de Dagoberto chegara ao fim, e o rei deposto foi encarcerado em seu amado bunker de concreto, na companhia dos mais horrendos bonecos que ele mandara mutilar. Jurandir foi exilado na Saxônia do Sul e passou a dedicar-se ao entalhe de consolos em pedra sabão. Quanto a Belfagor, foi coroado rei e sua época foi pródiga em tolerância e prosperidade.

Se bem que o novo rei nunca foi mesmo com a cara daqueles desprezíveis mímicos de rua. Isso me lembra que...

4 Comments:

Blogger Edge said...

que torres sao aquelas mesmo?

11:26 PM  
Blogger Hemeterio said...

São as torres da TVC, da Manchete (é o novo!) e da TV Cidade. Exatamente abaixo delas fica o Santo Inácio e a Praça da Imprensa, nas redondezas da Des. Moreira com Antônio sales.

2:55 PM  
Blogger El hombre maíz said...

Ah, passsando aqui só pra dizer que continuo acompanhando seu blog apesar do meu estar passando por problemas tecnicos.
Esses dias estava vendo uns trabalhos seus na net e lembrei do seu livro, que é do caralho! Daí me veio à cabeça que eu nunca tinha dito isso pra você, e que talvez você estivesse pensando o mesmo que eu pensaria se tivesse dado um livro meu de presente e a pessoa nem tivesse dado seu parecer.
É isso! Com meses de atraso. PArabéns, artista.

2:06 AM  
Blogger Hemeterio said...

Cara, também volto sempre pro teu blog, vai que essa fase passa e eu perco alguma coisa?

Brigado pelo elogio! Soube essa semana que o livro novo, a hq sobre a revolta da chibata sai mesmo em julho! pués te amndo um exemplar, ok?

2:28 AM  

Postar um comentário

<< Home