quinta-feira, junho 14, 2007

Duvido que publiquem, re re re.





Carta aberta a um patriota

Senhor diretor;

Proibir, simplesmente, não resolve as coisas. Aposto que segundos depois da abolição de todos os preconceitos e tabus sexuais - como a hortifrutifilia passiva -; a humanidade passaria por uma duradoura fase de abstinência e castidade. Parece que as pessoas se contorcem de prazer simplesmente fazendo o contrário do que impõe a autoridade instituída, ou talvez, a transgressão e o medo de ser pego em flagrante é que sejam os maiores afrodisíacos e os verdadeiros princípios ativos de toda droga.

Garanto que se o chá de capim-santo fosse declarado um forte entorpecente, e sobre seu consumo recaíssem todos os rigores repressivos da lei, imediatamente seria criada uma verdadeira máfia entorno da inofensiva bebida, com direto a preços inflacionados, tráfico, disputa pelas melhores hortas e tiroteios nas bocas de fervura. Isso sem falar na falsificação grosseira, misturando-se malva às hastes do capim. Não descarto nem a hipótese de criarem uma seita que atribua poderes místicos e transcendentais ao chazinho - e de cobrarem ingressos logo em seguida.

E que tal isso como crônica policial?

Conhecida gang de motoqueiros foi apanhada em flagrante em nossa capital, durante uma patrulha de rotina. A abordagem seguia conforme os ditames, mas eis que a arguta perspicácia de nossos patrulheiros percebeu o deslize. Afobado com a aproximação dos agentes da lei, aquele que posteriormente foi identificado como o líder dos meliantes tentou, num gesto rápido, livrar o flagrante. Achando que ninguém iria perceber, o conhecido infrator virou-se para o lado... e escondeu o punhado de cânfora no tanque de sua Harley. Imediatamente, o policial deu-lhe sonora voz de prisão. Como todos sabem, o governo tem se esforçado para extirpar dos limites nacionais a "praga do oriente", como é chamada a substância. O mesmo governo esmera-se em erradicar o ilícito comércio e o uso da canela, da páprica, do estragão, do sândalo, do gengibre e do coentro, para que fiquem fora de alcance dos nossos jovens. Este periódico aplaude a iniciativa, e torce sinceramente que os detentores do poder continuem o bom trabalho em prol da sanidade de nossa nação.

Em resumo, essa foi a missiva que enviei para os doutores do Instituto Silvério dos Reis de Estudos Pátrios. Eles saberão lapidar meus argumentos com melhor viço e quem sabe, juntos, possamos construir a estrutura lógica que alicerçará o projeto-de-lei. O que aliás, já não era sem tempo. Há décadas que o Congresso discute a legalização do Jogo de Porrinha. Nada como um legítimo patriota para entender outro.

3 Comments:

Blogger Edge said...

"hortifrutifilia passiva" nada mais criativo :) demais essa.

8:07 PM  
Anonymous Marco Aurelio Brasil said...

Sua verdade sobre o Gol é reveladora! E quantoa proibir ou não, vocês estão acima do Equador?

2:13 PM  
Blogger Hemeterio said...

Edge; rerere também gostei. Metaforicamente, claro.

Marcão! É isso mesmo! Aqui embaixo liberou geral mesmo, rerere.

2:46 PM  

Postar um comentário

<< Home