quinta-feira, agosto 16, 2007

Uma página para a cartilha da FUNCEME, sobre recursos hídricos. Na hora da montagem, tivemos que flipar o desenho, para que ele se encaixasse direitinho no espaço disponível. Ninguém deveria notar diferenças entre o desenho original e sua versão espelhada, afinal, um desenho é um desenho. Mas estranhamente, a posição do volante denuncia a intervenção.

De um caminhão-tanque que deveria derramar sua carga tóxica no rio Cocó, transformamos, involuntariamente, num acidente às margens do Tâmisa. Acontece.


Recentemente, a revista Aventuras na História publicou um dossiê cujo título, por si só, já desperta a curiosidade: Viva o americano médio! Praticamente, trata-se de uma dissecação imprevista de Homer Simpson. Impressionante como os dados do estilo de vida do americano médio se parecessem escancaradamente com a rotina do querido personagem de Matt Groening. Vocês podem conferir a reportagem aqui, ó:

http://historia.abril.uol.com.br/2006/edicoes/capa/mt_170814.shtml

Baseado na reportagem, o Edge (meu amigo, não o guitarrista do U2) sugeriu que deveriam fazer a mesma pesquisa para qualificar, afinal, quem é o brasileiro médio. Desnecessário dizer que economizei uma puta grana para o IBGE e apresento eu mesmo minha pesquisa, que visa destrinchar de uma vez por todas, o quê ou quem diabos somos. Aqui está, com exclusividade em língua portuguesa, já que a tradução para a National Geographic não ficou pronta a tempo.

O verdadeiro Jeca Tatu

O brasileiro típico tem apenas vinte dentes na boca. Nunca foi ao médico e desconhece por completo o mapa do próprio país. Apesar de ter passado pela escola, só conhece o alfabeto até a letra R, pois sabe como é o ensino público: tudo falta. Não tem a mínima noção das dimensões do país, se limitando a dizer que "tem muito chão" entre sua querida Bacabal e Teresina, onde vai comprar artesanato pra revender. O brasileiro típico vota - e concorda - com o último político que viu, antes de entrar na cabine eleitoral.

TV

Como ninguém sabe ler, os brasileiros se informam pela TV. Tudo gravita em torno dessa caixa cheia de chips: cultura musical, gostos alimentares, opinião política. Sendo assim, se a protagonista da novela se chama Jade, haverá, como 99,99% de certeza, uma profusão de Jades registradas nos cartórios. Se a TV manda que todos comprem alface, no dia seguinte os pés de alface somem das prateleiras. Se algum programa comenta sobre a súbita extinção do besouro rola-bosta, esse será o tema de todos os elevadores do país. O brasileiro típico só vê a programação da Globo e de vez em quando, a Hebe e o Raul Gil.

Carro

O carro do brasileiro típico é o carro velho. Certa vez, vendi meu Ka 98 para um cidadão que tinha, anteriormente, um Corcel 78! Ou seja, ele renovou a frota de sua propriedade em 20 anos! É um típico empreendedor, esse brasileiro médio. O brasileiro típico gosta de som alto e música ruim. Daí alguns deles gastarem até 20% do valor do carro numa aparelhagem de som, comprada em geral na Roubautos local. Coisa curiosa acontece com o carro do brasileiro típico. Segundo minhas pesquisas, ele só compra um jogo de pneus na vida, e em geral, é o mesmo que veio no carro que ele adquiriu. Os pneus duram indefinidamente, rodando até desgastarem as camadas de borracha. Dá até pra ver quando aparece a câmara de ar, como se o pneu fosse um sapato velho, cujo furo permite ver a meia. O carro do brasileiro típico se parece com um F1: não tem para-choques, nem lanternas, nem estepe, nem para-brisa e principalmente, não tem a placa.

Sexo e Saúde

O brasileiro típico trepa. Isso ele faz muito bem. Mas tal qual texugos, que acasalam sem saber como vão cuidar da prole, o brasileiro tem pelo menos quatro filhos por casal e não tem a mínima idéia de como criar esse povo todo. Daí, o brasileiro típico manda a conta pro Estado, superlotando hospitais e escolas públicas. A qualidade desses serviços cai vertiginosamente, mas e daí? Pelo menos na escola tem merenda e no hospital, o dotô sempre dá umas amostras grátis de remédios. E está tudo bem.

O brasileiro médio acha que camisinha é uma roupa apertada e que o ponto G é a parada do Butantã-USP. O brasileiro típico acha que esse negócio de AIDS se resolve tomando um Tetrex antes e depois da foda, e que todas as indisposições gástricas são devidos aos vermes. E está tudo bem. Um brasileiro típico acredita que os programas de vacina contra a gripe, dadas aos idosos, é uma forma do Governo de eliminá-los, os velhos. Quem dera.

Esporte

O brasileiro médio só entende de futebol. Não tente convencer um deles a achar beleza plástica das competições de Marcha Atlética, que ele vai rir de você. E eu também. O brasileiro típico ouve muito rádio, principalmente quando o locutor está transmitindo uma partida de futebol. O brasileiro típico entende a língua do locutor, mas eu desconfio que não, ele apenas vibra quando o locutor grita também. Puro reflexo.

Compras

Os brasileiros sustentam boa parte da economia da China, comprando todo tipo de porcarias. No entanto, a maioria das coisas compradas por aqui são genuinamente nacionais, e seguem essa ordem de preferência: chinelas havaianas, pente flamengo, espelhinhos de moldura laranja, balas peeper e gás butano. O brasileiro compra muito gás de cozinha! Mas engana-se quem acha que seu uso fica restrito à lida doméstica. Botijões são usados, em geral, para movimentar Fusquinhas. Naquele espaço entre o banco de trás e o motor, cabem justamente dois botijões, um em uso e outro reserva. A adaptação para uso veicular é simples e qualquer oficina de beira de estrada faz a conversão. Na verdade, a coisa funciona tão bem, que parece que aquele espaço vazio foi pensado pelo próprio Porsche, para que algum brasileiro, no futuro, alojasse lá duas pequenas bombas atômicas. O brasileiro médio dá um jeito de esculhambar tudo.

Lixo

O mar, os rios e as florestas são os depósitos de lixo do brasileiro, médio ou não. O brasileiro médio acha que aquela cacimba vai prover água pra sempre, já que era assim que as coisas eram no tempo do avô dele. O brasileiro não se preocupa com o futuro. O brasileiro médio joga fora uma cápsula de césio no lixão da cidade, achando que se o problema sumiu de minha vista, ele está resolvido. Tal qual um avestruz. Daí, outros brasileiros médios acham o aparelho de raios-X, desmontam a coisa e ficam brincando com o pózinho azul que brilha no escuro. O brasileiro típico ainda vai matar a todos nós.

Religião

O típico brasileiro é um sincretista. Batiza o filho na Igreja Católica, mas à noite, dá o maior valor escutar o som dos atabaques. Acredita piamente que Jesus Cristo foi camarada do Padre Cícero e que imagens de santas aparecem em vidraças e poças d´água. Isso sem falar da mãe Dinah! O brasileiro típico acredita em qualquer coisa que o ajude a pagar dívidas. Se disseram que a urina de um jumento é benta, lá se vão todos ordenhar o pobre animal. Outro brasileiro, mais típico ainda, vai engarrafar o líquido e vender.

Crime

O brasileiro padrão em geral é honesto, mas feche a porta de casa. Como a justiça não funciona e a polícia não sabe prender, a diversão do brasileiro é linchar as pessoas. Não importa se culpado ou não, basta que alguém grite e aponte em sua direção, que outros brasileiro típicos lhe descerão o sarrafo. Depois disso, a maior diversão do brasileiro típico é aparecer na TV, dando tchauzinho por trás do repórter, enquanto a câmera focaliza o corpo estendido no chão. O brasileiro típico é amoral como um deslizamento de terra.

2 Comments:

Blogger Edge said...

é isso aí, Hemet.
pra quem olha pros americanos e ficam mangando dele e de sua 'burrice geografica', deviam olhar para o nosso próprio país. O 'brasileiro medio' é bem isso mesmo.

Somos o 8o em desigualdade social juntos com Guatemala, Suazilândia, República Centro-Africana, Serra Leoa, Botsuana, Lesoto e Namíbia.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u112798.shtml

ah...e se me permite uma contribuicao, faltou dizer que quem ganha mais de 2000 por mes é elite no Brasil.

E para quem ler esse ótimo post, lembre-se: nós que temos acesso a internet também somos minoria.

8:47 PM  
Blogger Zarastruta said...

Hemé,

Faltou esta:

Corrupção
O brasileiro médio é contra a corrupção do país, mas acha que seria burrice não aceitar uma propina se tivesse chance ou de pagar R$ 10 para um guarda de trânsito para escapar de uma multa de R$ 200. Corrupção é do país ou dos outros. Ele está apenas sendo esperto.

11:08 PM  

Postar um comentário

<< Home