sexta-feira, outubro 26, 2007

Desenho do químico alemão Friedrich August Kekulé von Stradonitz, intuidor do Anel de Benzeno e patrono do logo da Petrobrás. Quem me pediu a arte foi o Gustavo, para sua turma do terceiro ano. Cobrei um preço caríssimo: agora, todas as gatinhas da sala têm um santinho meu na carteira, e conseqüentemente, a vida sexual arrasada.


O artigo que ele escreveu tá aqui, ó: (link).



Eu insulto o burguês

Eu leio de tudo. Romances russos, noveletas espanholas, contos irlandeses, panfletos do Hercólubus, manifestos do Damião Experiença, recados em notas de um real, mensagens de porta de banheiro e o Despertai. Só existe um gênero literário que eu não suporto, o qual devoto minha ira e preconceito: a poesia.

Eu detesto poesia. A poesia está para a literatura como a arte abstrata - essa emporcalhadora de telas -, está para a pintura. Quem não sabe pintar, faz arte abstrata. Quem não sabe escrever, faz poesia. Tal qual o Coringa, que numa sanha destruidora poupou uma tela do Francis Bacon, eu só tolero um tipo de poesia, a criada por um tal de Anacoreta. Achei esses panfletinhos colados na minha porta. Alguém pode me dizer o que diabo é isso?







3 Comments:

Blogger Zarastruta said...

O Anacoreta é relíquia do tempo da BBS. Grande punheteiro aquele.

6:30 PM  
Blogger Zarastruta said...

Esta você acertou (e foi rápido):

http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI2026539-EI5030,00.html

PMs que atiraram no carro dos Espanhóis.

9:53 PM  
Anonymous Gustavo said...

Valeu de novo, Heme!

4:24 PM  

Postar um comentário

<< Home