terça-feira, outubro 16, 2007

Fatos e Fotos
Alguns flagrantes do fim de semana. Abaixo, uma prova pra quem acha que brinco quando chamo minha toca de Batcave. O simpático morcego estava pendurado no hall do elevador, junto com outros dois amigos. Ao perceberem minha presença, eles se mandaram. Mas este, corajoso - ou petrificado de medo -, posou pras fotos. Grande bicho! Prefiro a casa coalhada de morcegos a criar uma jibóia.


Durante uma das minhas projeções astrais, captei este instantâneo. Ao fundo, lá longe, a gente divisa a catedral, com suas torres agulha de 72m. À esquerda da foto, na linha do horizonte, os contrafortes da serra da Taquara. Os portugueses achavam que essa serra, início da grande serrania de Maranguape, estava recheada de minas de prata. Ledo engano. A única coisa que brilha no Ceará é o quengo do povo ao sol.


Um pequeno close da foto anterior. Reparei numa coisa curiosa: o estilo gótico não combina com esse solzão. A catedral de Fortaleza fica bem menos assustadora debaixo de tanta luz. Mas à noite, quando ainda não havia a iluminação festiva da prefeitura, a catedral metia medo. Reparem também na enorme duna de areia ao fundo, quase apagadinha por causa da maresia. Lá fica a favela do Pirambu, que ocupa inacreditáveis cinqüenta por cento da cidade. Vejam também as ondas revoltas, pois nesse ponto o mar bate direto, sem a proteção da enseada do porto do Mucuripe.


A já citada serra de Maranguape. À esquerda da foto, outra massa respeitável, a serra de Pacatuba. No meio das duas, não sei se vêem, fica a distante serra de Baturité, que acolhe no topo minha cidade serrana do coração, Guaramiranga. A altitude delas? Maranguape e Pacatuba têm mais de 850m e Baturité culmina aos 1.115m.


Meu prédio! Eu moro nesse prédio no centro da foto, que ostenta um ridículo arco no telhado. Ao nível da rua, temos praticamente um pequeno bosque particular. A copa das árvores chega até o sexto andar, em alguns casos.


Um gordão ao vento. Entre meu sovaco e o guarda-corpo, dá pra ver de relance, lá embaixo, meu próprio prédio.

4 Comments:

Blogger Edge said...

que curioso. 50% da cidade é o Pirambu, nao sabia dessa:)

as fotos ficaram muito bacanas, bicho.

5:02 AM  
Blogger Renato Zapata said...

E aee, beleza, cara?

Vi que você ganhou o concurso da Piauí e fui pesquisar por você na internet.. e achei o blog...

Inclusive, fiquei em segundo lugar nesse concurso da Piauí.. mas queria parabenizar tanto pelo texto que ganhou como pelo blog que curti e já passei algum tempo lendoo.. seus desenhos são 10..

Além disso, queria te convidar pra conhecer o meu blog, com uns amigos da faculdade >> www.nossomundoimundo.blogspot.com

Se quiser entrar em contato mande e-mail para renato.zapata@hotmail.com , ou mesmo pelo blog...

Abraçooo...

6:50 AM  
Blogger Zarastruta said...

Este conceito de cidade vertical me era natural. Achava que viver em apartamento era o grande lance. Depois de casar me mudei para condomínio de casas cercadas por um grande muro eletrificado. Hoje vivo em uma casa sem muro no jardim e um muro de madeira no quintal além de janelas de vidro sem barras de ferro. Na verdade você precisa sair de uma realidade para perceber o quão absurda ela é.

9:38 AM  
Blogger Nanael Soubaim said...

Realidade artificialmente mantida, diga-se de passagem.
Photographias batutas, Hemé. Tu poderias mostrar algo que os goianienses têm muita curiosidade para ver, que é a população bugueira.
E quanto ao morcego, deve estar esperando pelo Robin, ou a Mulher-Gato.

2:10 PM  

Postar um comentário

<< Home