sexta-feira, fevereiro 22, 2008

O que será que ela - ou eu - está aprontando?




O caderninho preto


Há poucos meses recebi a conta de meus pais. Meticulosamente, eles vinham anotando num caderninho preto tudo o que eu gastara ao longo de dezoito anos de vida. Estava tudo lá, desde os primeiros exames de ultra-som até o canhoto do Motel, onde supostamente, eu fora concebido numa semana de carnaval. Além das anotações, havia as provas. Num baú no quarto deles estavam todos os recibos de colégio, contas da farmácia, comprovantes de cartão de crédito e o escambau. Atônito, ainda conservei o sangue frio para dizer que naturalmente, precisava periciar todo o material. Me botaram para fora de casa junto com o baú, não sem antes me fazerem assinar uma espécie de recibo de intimação, com o gasto total detalhado. Com o caderninho preto nas mãos meu pai ainda brilhou os olhos: - Quer que chame um táxi?

Fui passar a morar no ap do Xereta, meu amigo das antigas que é um aspirante a advogado. Na verdade, ele trabalha como boy na firma de advocacia do pai, mas quer prestar vestibular para oceanografia. Enfim, coisa muito complicada, depois eu conto. O fato é que o Xereta me ajudou a destrinchar a conta, apontando eventuais erros, incongruências e exageros. Porra – disse o Xereta -, tem uma compra de duas cuecas feita semana passada. Admiti que eram justamente as cuecas que eu levara. Uma estava na mochila e a outra… bem, estava em uso. A conta era precisa o suficiente para não incluir dezoito presentes de aniversário, dias da criança e natais. Mas o resto estava tudo ok.

O Xereta notou meu desespero enquanto coçava a barba rala. Onde diabos eu arranjaria esse dinheiro todo? Para meu horror e espanto, a grana acumulada compraria, por exemplo, um bom apartamento. Meus pais também incluíram pequenas correções e juros sobre o montante, durante esses anos todos. Mas pelo menos não cobraram o que o mercado pratica. As taxas foram, como direi, camaradas - de pai para filho.

Eis que o Xereta teve uma idéia. Tecnicamente, eu não assumira de forma consciente a dívida, já que não pedira para nascer. Esse argumento caiu por terra, pois uma vez nascido, meus pais assumiram de qualquer forma todo o ônus da minha criação, e não posso me queixar que não tenha aproveitado bem. Também não poderia botar a culpa no governo, pois não houve pressão procriatória, nem abortiva – aliás, se o governo insistisse no meu aborto eu teria, afinal, um problema a menos.

Mas o Xereta não desistia: - E se a gente pedisse uma indenização a teus pais? Daí ele elaborou a teoria de que meu nascimento só me trouxe transtornos. Foram várias quedas, arranhões, traumas, exposição a perigos e tormentos variados. Para começar, nasci brasileiro, o que me limou várias oportunidades. Se meus pais achavam que tinham o direito de me cobrar por serviços não requisitados, então eles poderiam, pelo menos, ter escolhido um país melhor para mim. Ponto pro Xereta, e fomos fazendo as contas. Incluímos algoritmos que especulavam desde o quão perigoso é viver neste planeta cheio de terroristas até recentes pesquisas que mostravam que minha alimentação fora administrada incorretamente – sem beta- carotenos, vitaminas alfa, ácidos fólicos e o diabo a quatro, que qualquer criança de hoje usufrui numa boa.

Fizemos um cartapácio cheio de carimbos e assinaturas e mandamos para meus pais. E ora vejam, ganhei em primeira instância! Nossa conclusão é que viver é tão estupidamente perigoso que só um louco ou um criminoso colocaria bebês no mundo. Ainda cabem recursos, mas o Dr. Pereira – pai do Xereta – disse que minhas chances são boas. Tivemos o cuidado de incluir uma cláusula indenizatória que prevê uma modesta mesada para mim mesmo, enquanto durar o processo, com a qual estou me mantendo.

Aliás, assim que recebi a primeira mensalidade, fui correndo fazer uma vasectomia. Eu hein?

5 Comments:

Blogger Marx said...

Hemet...pra quê diabos o cara iria querer ÁCIDO FÓLICO...hehehe....tava querendo mudar de sexo???? Show o texto...vou me consultar com esse Xereta e já entrar com um ação cautelar de conhecimento, para impedir qualquer lombra dos meus pais, caso eles venham cobrar alguma coisa! hehehehehehe

2:22 PM  
Blogger Hemeterio said...

Haron, vou processar Adão retroativamente. Obviamente o idiota nos prejudicou a todos desobedecendo o Chefe vingativo. Vou botar na conta do Papa!

4:09 PM  
Blogger Mariana Araújo said...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Perfeito omi!!!
taí que no dia que meus pais me mandarem a conta já sei a quem recorrer
hahahahahah

7:06 PM  
Blogger Hemeterio said...

M-a-r-i-a-n-a! Kisses and hugs! H.

3:32 PM  
Blogger Mariana Araújo said...

Mas omi! apois fique sabendo que num foi sem querer não!!!
kkkkkkkkkkkk
amo aquele filme...portanto a influência foi monstra
rsrsrs
em breve mais um textim...e se deus quiser uns rabiscos tronxos tb
rs
bjão

6:29 PM  

Postar um comentário

<< Home