sexta-feira, março 26, 2010

100 cruzeiros

Juro pela alma de Albert Einstein que é verdade. Enquanto preparava a cova da plantinha, em pleno canteiro central da avenida Santos Dumont, achei essa moeda de cruzeiro enterrada. Que outros tesouros o subsolo de Fortaleza nao esconderá? Dobroes da época dos holandeses? Pontas de flechas dos tabajaras? Ossos de perseguidos pelo regime getulista? Corramos às picaretas, pois!

3 Comments:

Blogger th. said...

Ow, rapaz, por duas vezes já vivi situação assim. Moedas de cruzeiro também, mas com um agravante: incrutadas ao asfalto. Juro, munido de uma chave de fenda e uma garrafinha de gasolina (e um barbante e uma banana, esses não precisei), fui em missão de resgatá-las. Na época fiquei rodeado pelas mesmas perguntas, e vislumbrei um mundo livre de pavimentos. Temos de arar as cidades, Hemé!

11:00 AM  
Blogger Nanael Soubaim said...

Há o risco de deparar com um cadáver e se complicar com a polícia.

4:02 PM  
Blogger Hemeterio said...

Th, acho massa aqueles doidos que percorrem as praias comdetetores de metal, isso da uma boa renda. Vou deixar esse negocio de desenhos, nao tem futuro nao.

Nanael, eu queria cavar e achar petroleo ou ouro. mas um fossil de t-rex serve.

4:18 PM  

Postar um comentário

<< Home