sexta-feira, abril 23, 2010

Gato na colcha


Enquanto dedetizavam (ainda usam DDT?) sua casa, o gato da minha vó veio passar a noite lá no meu ap. Mas o local não é adaptado para seres vivos complexos, de forma que não tenho redes nas janelas. Gato é um bicho doido e sem noção. A qualquer momento ele pode pular para a janela e da janela, para o chão, doze metros abaixo. Como de fato aconteceu, mas só a primeira parte da história. Tão vendo essa cordinha amarrada na coleira dele? Pois é isso que impediria sua queda para uma morte certa. Mesmo que ele ficasse dependurado pelo pescoço, caso caísse, o eventual dano seria menor se o tapado se esborrachasse no chão.

Falei na cordinha? Tal qual um condenado numa masmorra, demos ao Gato uma liberdade limitada, atrelado ao comprimento do seu cordão. Passando a viver como um cachorro, mas com a mentalidade de um gato, o Gato (sim, ele não tem nome. pra que? não atende quando a gente chama) passou a se enroscar em todo tipo de perna de mesa e obstáculos pela casa, tornando o que seria uma salvaguarda caridosa numa potencial arma letal, para ele e para quem tropeçasse na sua teia.

O tamanho da cordinha, no entanto, permitia algumas explorações, como é típico dos gatos. O que calhou dele chegar à minha cama e lá se instalasse confortavelmente. Fofo, não? Ok, ok, esse papo todo é pra posar de cara legal e amante de gatos, e principalmente, pra mostrar minha colcha do Batman, que eu mesmo recortei usando pedaços de pano e uma costureira juntou tudo. Que tal? Faço orçamento sem compromisso. Mas não banco mais babá de gato.